Membros do TCE Amapá destacam em reunião técnica força econômica e turística de Oiapoque

Janderson Carlos Nogueira Cantanhede - quinta, 12 de dezembro de 2019
Membros do TCE Amapá destacam em reunião técnica força econômica e turística de Oiapoque
TCE - Comunicação

Um dos pontos altos do TCE na Comunidade é a reunião técnica entre os membros do Tribunal, autoridades locais, chefes de Poderes e parlamentares. Em Oiapoque, onde aconteceu a segunda edição do projeto, diversas reivindicações foram feitas visando o progresso do município.

O conselheiro Ricardo Soares destacou a força econômica de Oiapoque em superar as dificuldades e se manter como promessa de desenvolvimento no Estado. “Confesso que tempo atrás achei que Oiapoque iria se acabar. Inclusive tinha uma proposta de transformar o município em território. Hoje, o município deu um salto econômico”, comentou.

O conselheiro substituto Pedro Aurélio, também considerou um momento ímpar vivido pelo município. “Não tinha ideia de como era o município. Nos sentimos acolhidos por esta cidade e vamos buscar estreitar a relação com nossos jurisdicionados, colaborando com a boa aplicação dos recursos públicos”, disse.

O conselheiro Regildo Salomão, Corregedor do TCE Amapá, destacou que as propostas debatidas em Oiapoque devem ser levadas às bancadas estadual e federal afim de que as providências sejam tomadas, melhorando a vida dos munícipes. “O Tribunal de Contas do Amapá pode contribuir com o progresso dos municípios, conhecendo a realidade de cada um, discutindo soluções e encaminhando as devidas providências”, ressaltou.

A conselheira substituta Terezinha Botelho, falou do potencial natural de Oiapoque e disse que o município reúne condições suficientes para despontar na região como um centro turístico. “Cheguei, recentemente, de uma viagem à Nova Zelândia e hoje me deparo aqui neste município tão rico em sua fauna e flora, não deixando a desejar em nada para qualquer cidade do mundo. A beleza do município salta aos olhos. Tem uma posição estratégica, é multicultural, tem um cacau único no mundo, enfim, logicamente que precisa melhorar a infraestrutura, mas o município tem tudo para crescer”, comentou.

A conselheira Elizabeth Picanço colocou seu gabinete e técnicos à disposição dos jurisdicionados que tenham dúvidas ou necessitem de orientações técnicas no cumprimento da legislação.

A procuradora geral de Contas, Rachel Barbalho, disse que ao escolher o Amapá para morar sempre teve a certeza de que um dia conheceria o Oiapoque pelas histórias que ouvia sobre o município. “Uma delas é sobre a prostituição na fronteira. Ao chegar aqui eu sabia o que tinha que fazer, e comecei a orar contra esse mal que gera esterilidade no solo do município”, pontuou.

O conselheiro Amiraldo Favacho, vice-presidente do TCE Amapá, parabenizou o presidente Michel Harb pelo TCE na Comunidade, projeto que busca ouvir os anseios sociais e as necessidades dos jurisdicionados. “Ainda estou emocionado em visitar esta terra tão bela e tão promissora. Vamos dar os devidos encaminhamentos às autoridades para que esta população possa ter, cada vez mais, dignidade neste município”, adiantou.

O conselheiro Reginaldo Ennes, Ouvidor do Tribunal de Contas, disse que o segundo TCE na Comunidade foi especial pelas condições e participações da população e autoridades. “Aqui todos convivem com igualdade. Não podemos ter medo de discutir os problemas. A obra fundamental do Tribunal de Contas aqui são as soluções discutidas e encaminhadas”, destacou.

Ao final da reunião, o presidente Michel Houat Harb adiantou que todas as reivindicações apresentadas pelas autoridades e participantes do encontro serão encaminhadas aos órgãos estaduais e municipais, e também aos membros das bancadas estadual e federal. “Vamos encaminhar um documento ao Governo do Estado, à Assembleia Legislativa, e à presidência do Congresso Nacional para que as medidas necessárias sejam tomadas”, concluiu.

O TCE na Comunidade é um projeto do Tribunal de Contas do Amapá e tem como objetivo preparar os jurisdicionados quanto a melhor aplicação dos recursos públicos.